Doenças cardíacas e seus sintomas

Cuidando do Coração

Você tem tido o devido cuidado com o seu coração? Com um órgão tão vital para a sua sobrevivência não dá para ficar descuidado.

Portanto, vamos entender melhor sobre algumas doenças do coração e como fazer para darmos uma vida longa nosso amiguinho que não pode parar de bater.

Doença do Coração

Os sintomas das doenças cardíacas podem ser percebidas por meio da falta de ar, palpitações, cansaço fácil, taquicardia, inchaço nos tornozelos e dor no peito, sendo assim, vamos aprender mais sobre as doenças do coração.

 

DOENÇA CARDÍACA

Doença do coração

Doença cardíaca é um termo amplo para indicar diversas situações médicas crônicas ou agudas que afetam um ou mais componentes do coração.

Entre os pulmões existe uma cavidade conhecida como mediastino. Este é o lugar onde o coração está posicionado – partindo do centro do corpo, dois terços para a esquerda. O coração é um órgão muscular comparado ao tamanho de um punho, que bombeia o sangue através das várias artérias e veias chamada assim de sistema cardiovascular.

O coração tem quatro câmaras:

  • Átrio direito: recebe o sangue das veias e bombeia para o ventrículo
    direito.
  • Ventrículo direito: recebe o sangue do átrio direito e bombeia para os pulmões, onde ele é carregado com oxigênio.
  • Átrio esquerdo: recebe sangue oxigenado dos pulmões e bombeia para o ventrículo esquerdo.
  • Ventrículo esquerdo: bombeia o sangue oxigenado para o resto do corpo. As contrações do ventrículo esquerdo criam a nossa pressão arterial.

As artérias coronárias correm ao longo da extensão do coração e fornece sangue rico em oxigênio ao músculo cardíaco. Uma vasta camada de tecido nervoso também atravessa o coração, transportando os sinais neurológicos complexos que regem a contração e relaxamento. Essa teia que envolve o coração é chamada pericárdio.

As doenças cardíacas ocorrem quando uma dessas estruturas não está funcionando corretamente. Confira algumas doenças cardíacas mais comuns:

 

1. Angina.

Angina do peito

Muitas pessoas não sabem, mas especialistas não consideram a angina como uma doença, mas sim um dos sinais de que algo não vai bem com o coração. Chamada de angina pectoris¸ trata-se de uma dor forte ou desconforto localizado bem no centro do peito. Normalmente surge junto com outros sintomas, como uma sensação de pressão, aperto ou queimação acima do tórax.

Em casos mais graves a dor pode também se espalhar para os braços, costas, pescoço ou mandíbulas. É causada pela interrupção parcial da passagem do sangue para o coração, impedindo que ele receba oxigênio e nutrientes suficientes para continuar funcionando normalmente.

 

2. Aneurisma da Aorta Abdominal.

Aneurisma da aorta abdominal

Trata-se de uma dilatação preenchida com sangue localizada na parte da aorta que passa pelo abdômen. Há um grande risco de que, com o tempo, esta protuberância venha a enfraquecer, podendo se romper e levando a uma hemorragia interna. Na maioria dos casos não apresenta sintomas, sendo diagnosticada em exames de rotina.

Não há uma causa definida para esta doença cardiovascular, mas acredita-se que possa estar relacionada a uma fragilidade na parede da aorta, ou mesmo por uma obstrução das artérias (aterosclerose). O fator hereditário também não é afastado pelos especialistas.

 

3. Arritmia.

Arritmia cardíaca

Pode ser definida como um distúrbio do batimento ou ritmo cardíaco, tendo como sintoma o batimento muito rápido (taquicardia), muito lento (bradicardia) ou mesmo irregular. Geralmente é causada por problemas no sistema elétrico de condução do coração, podendo ser motivadas por: ataque cardíaco, cardiomiopatia, artérias bloqueadas, hipertensão, diabetes, hipertireoidismo, fumo, alcoolismo, consumo exagerado de cafeína, uso de drogas em geral e estresse.

 

4. Ataque Cardíaco (infarto agudo do miocárdio).

Ataque cardíaco ou infarto agudo do miocárdio

O ataque cardíaco é provocado pela falta de sangue e oxigênio no músculo cardíaco, em função de uma obstrução da artéria coronária. Os principais sintomas são:

      • dor no peito.
      • sudorese.
      • falta de ar.
      • mal-estar súbito.

Especialistas indicam que logo aos primeiros sinais de ataque cardíaco é importante levar o paciente imediatamente ao hospital, uma vez que o risco de morte vai aumentando em 10% a cada minuto. Até que o atendimento seja feito por profissionais, a massagem cardíaca pode ajudar a reduzir os danos.

 

5. Doença Cardíaca Congênita (cardiopatia congênita).

Trata-se de uma alteração na estrutura do coração presente desde o desenvolvimento do feto, ainda na gestação. Dados da American Heart Associationindicam que este problema afeta cerca de 1 em cada 100 crianças.

 

6. Doença Vascular Periférica.

É um problema gerado pelo acúmulo de gordura nas artérias periféricas (braços, pernas), causando a redução ou mesmo obstrução do fluxo sanguíneo. Os principais sintomas são dores nos membros, dormência e queda de temperatura local.

 

7. Endocardite.

Endocardite infecção valvular

É também conhecida como infecção valvular, tratando-se de uma infecção no endocárdio (revestimento interno do coração). Na maioria dos casos é causada por bactérias (stafilococos aureus, enterococos, estreptococos viridans) ou germes que saem de outra parte do corpo e chega áreas já afetadas do coração por meio da corrente sanguínea.

Entre os principais sintomas estão febre e calafrios, fadiga, dor nos músculos e articulações, sudorese noturna, respiração curta, palidez e tosse persistente. Somente em casos raros a doença atinge pessoas com o coração saudável.

 

8. Insuficiência Cardíaca.

Também conhecida como insuficiência cardíaca congestiva, é quando o coração não possui mais força para fazer o bombeamento de sangue para o resto do corpo. Divide-se em dois tipos:

  • Sistólicas nos casos em que o músculo cardíaco não consegue bombear ou ejetar o sangue para fora do coração!
  • Diastólicas quando estes músculos ficam rígidos e não se enchem suficientemente de sangue!

Trata-se de uma doença que se desenvolve com o passar do tempo, sendo que apenas em alguns casos é possível que venha a surgir de maneira repentina. Pode afetar todo o músculo cardíaco ou apenas de um dos lados.

 

9. Miocardite.

Miocardite

Pode-se definir como a inflamação de um músculo do coração chamado de miocárdio, podendo ser causada principalmente por infecções por vírus, bactérias, protozoários ou fungos, uso de certos medicamentos, doenças autoimunes, consumo exagerado de álcool ou drogas.

Muitas vezes apresenta poucos ou mesmo nenhum sintoma. Entre as consequências da doença podemos citar a falência da bomba cardíaca (redução de sua capacidade de bombear sangue), além de causar arritmias cardíacas.

 

10. Tumores no Coração.

É considerado tumor todo tipo de crescimento celular anormal, podendo ser benigno ou maligno (câncer). Quando sua origem é no próprio coração, chama-se primário ou primitivo, mas os deste tipo são bem raros. Os mais comuns são os denominados secundários, casos em que são originados da metástase de tumores malignos em outras partes do corpo e vão para o coração.

A maior parte dos tumores primários do coração são benignos (75%), enquanto os secundários são sempre malignos. Em muitos os tumores no coração não apresentam sintomas, podendo levar, em pouco tempo, ao surgimento de outras
disfunções cardíacas fatais. Entre as quais, a insuficiência cardíaca súbita, caracterizada por arritmias cardíacas e queda brusca da pressão arterial.

Insuficiência Cardíaca

Coração e as doenças cardíacas

 
A insuficiência cardíaca pode ocorrer quando o coração não consegue bombear sangue (sistólica) ou encher-se de sangue (diastólica) adequadamente.
Os sintomas incluem falta de ar, fadiga, pernas inchadas e batimentos cardíacos acelerados.
O tratamento pode incluir a ingestão limitada de sal e de líquidos, bem como o uso de medicamentos com prescrição. Em alguns casos, pode ser implantado um desfibrilador ou marca-passo.

Exames

Exames do coração

Alguns exames podem ser feitos para diagnosticar ou acompanhar doenças cardíacas, tais como:

  • Eletrocardiograma.
  • Ecocardiograma.
  • Teste ergométrico.
  • Cateterismo cardíaco.
  • Holter 24 horas.
  • Monitor cardíaco portátil.

AINDA NÃO TEM PLANO DE SAÚDE?

 Prevenção

Maneire no Sal

O uso excessivo de sal levará a um aumento do sódio na pressão sanguínea, que vai reter o liquido presente no sangue, aumentando a produção de líquido pelo organismo e consequentemente elevando a pressão arterial. A hipertensão é responsável por males como infartos e Acidente Vascular Cerebral (AVC). Segundo os especialistas, os brasileiros comem aproximadamente o dobro da quantidade ideal de sal, alimento que é principal fonte de sódio – sendo assim um dos maiores vilões da pressão alta. Em geral, a quantidade é alta porque as pessoas não dispensam utilizar o sal durante as refeições. Por conta disso, o mais recomendável é acrescentar apenas três gramas de sal às nossas refeições diárias. Uma colher rasa de café tem aproximadamente um grama de sal, podendo ser usada como medida – duas colheres no almoço e uma no jantar, por exemplo. Para reduzir o consumo de sal, opte por temperos naturais nas refeições, como ervas e azeite de oliva.

 

Invista nos Fitoesterois

Fitoesterois controlar taxas de colesterol

Os fitoesteróis são substâncias funcionais, e estudos recentes mostram a importância dessa substância para quem quer controlar as taxas de colesterol no organismo. O colesterol e os fitoesteróis tem semelhanças em suas estruturas química. Quando passam para o intestino, eles brigam entre si para ver qual será absorvido e, por consequência, menos colesterol entra no sangue. Além disto, o fitoesterol altera a dissolução do colesterol no intestino, fato esse que também diminui sua absorção. A ingestão de 1,6 a 2 g/dia de fitoesteróis pode reduzir a colesterolemia (nível de colesterol no sangue) em cerca de 10 a 15%, quando ligados a hábitos de vida saudáveis. Boas fontes de fitoesteróis são os óleos vegetais crus, nozes, feijão, legumes, verduras e alimentos enriquecidos, como o creme vegetal.

 

 Combata o Estresse

O colesterol alto, que causa a hipertensão e obstrui as artérias do coração, é um dos efeitos do excesso de estresse. A ansiedade aumenta a liberação de cortisol no organismo, hormônio esse que faz crescer a concentração de glicose no sangue, fazem aparecer problemas como diabetes, altos níveis de triglicérides e descontrole de colesterol. A cada pico de ansiedade, a quantidade de radicais livres que circulam no seu organismo aumenta. Com a ansiedade, a presença dos radicais livres no organismo aumenta, podendo agravar problemas cardíacos. Isso porque eles se misturam com o colesterol em excesso no organismo, formando placas nas paredes dos vasos sanguíneos, além de piorar certas doenças inflamatórias e causar envelhecimento precoce.

 

Faça Atividades Físicas

Exercício físico faz bem ao coração

Exercícios físicos fazem bem a saúde do coração.

Quando fazemos exercícios regularmente, o coração trabalha com mais eficiência e sem ter que fazer tanto esforço. O sangue flui melhor e as artérias e vasos ficam mais flexíveis e saudáveis. Tudo isso previne o risco de doenças cardiovasculares, como infarto, colesterol alto, AVC e hipertensão. Enquanto uma pessoa sedentária tem de 80 a 100 batimentos por minuto, uma pessoa condicionada está entre 60 e 70 batimentos por minuto. Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia essa diferença diminui em 40% o risco de doenças cardiovasculares. Para favorecer o sistema cardiovascular, os exercícios precisam elevar a frequência cardíaca. É o caso da caminhada, da bicicleta, da natação, corrida, aulas de step e jump.

 

Veja se na sua Família a Antecedentes

O histórico familiar é sim um fator de risco importante para doenças cardiovasculares – entretanto, com o acompanhamento médico adequado e adoção de hábitos saudáveis, é possível prevenir o quadro. Verificar a incidência de doenças que afetam o coração em outros membros da família pode ajudar a pessoa a manter os bons hábitos desde cedo, se prevenindo contra uma doença que muitas vezes não apresenta qualquer sintoma. Por isso, se você tem um parente com colesterol alto ou hipertensão, ou então é filho de uma pessoa que sofreu um infarto ou AVC, procure um médico para fazer exames – como ecocardiograma, contagem de colesterol, pressão arterial – e mude seus hábitos, como manter uma alimentação equilibrada e praticar exercícios, antes que o problema agrave.

 

Não Fume

Fumo aumenta frequência cardíaca

tabagismo aumenta a frequência cardíaca, contrai as artérias e pode causar graves irregularidades nos batimentos cardíacos, aumentando a carga de trabalho do coração. Fumar também aumenta a pressão sanguínea, o que eleva o risco de AVC em pessoas com hipertensão. O cigarro agride as paredes vasculares, aumentando as chances de aterosclerose (doença que leva a formação de placas na parede das artérias), entre outros malefícios. O cigarro também reduz o bom colesterol e contribui para o acúmulo de placas de gordura nas artérias, danificando as paredes dos vasos sanguíneos.

 

Fique de Olho na Balança

A obesidade e a doença do coração

A obesidade pode aumentar em 60% o risco de uma pessoa morrer por doenças relacionadas ao coração, segundo dados da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (ABESO). Isso porque a obesidade causa uma série de alterações no metabolismo e favorece doenças como hipertensão, colesterol alto e diabetes, todas ameaças para a saúde do coração.

 

Cuide da Higiene Bucal

A falta de higiene bucal favorece o acúmulo de micro-organismos na região, levando ao aparecimento da cárie e outros problemas na gengiva (periodontite e gengivite), bochechas, língua, palato e toda mucosa oral. Esses organismos podem atingir áreas mais profundas da mucosa oral e atingir os vasos sanguíneos, infectando os tecidos do coração. Dessa forma, é importante manter a escovação dos dentes e língua com fio dental após as refeições, além das visitas regulares ao dentista.

Deixe uma resposta